Pedro Afonso realiza caminhada contra a exploração sexual de crianças e adolescentes

Mobilização será na segunda-feira, às 07h, na praça Coronel Lysias Rodrigues
Domingo, 18 de maio, é o Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Para tratar do tema, a secretaria de Assistência Social de Pedro Afonso, em parceria com diversas entidades, irá iniciar uma série de atividades conscientizando a sociedade sobre a gravidade da violência sexual. O primeiro evento acontece na próxima segunda-feira (19), às 07h: uma caminhada partirá da praça Coronel Lysias Rodrigues, percorrendo algumas das principais ruas da cidade.   De acordo com Benedito Moura Medeiros, presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), a caminhada de segunda-feira será o primeiro passo para tornar a comunidade mais participativa no combate à exploração sexual. “Na caminhada nós iremos distribuir panfletos, iniciando uma grande campanha para envolver a sociedade nessa luta. E depois dela, estaremos nas escolas, a cada semana, promovendo palestras educativas, informando crianças e adolescentes e pedindo a participação de toda a comunidade. Isso é de fundamental importância para que possamos defender o direito das crianças crescerem saudáveis, no lar, com uma educação completa e muita saúde”, diz Benedito.   Ele diz que ainda não há um diagnóstico dos casos de exploração sexual de crianças e adolescentes em Pedro Afonso, mas informa que, a partir da adesão do município ao selo Unicef, será feito esse levantamento. “Não temos como informar qual o índice hoje, mas sabemos que existe, como em qualquer outra região do país. Nós próximos meses será feito um levantamento de quantas crianças e adolescentes temos aqui, e quantos sofrem com esse mal”, informou ele.   Segundo o secretário municipal de Assistência Social, Jalles Mariano, além de combater os casos existentes, a campanha que será iniciada tem o intuito de prevenir novos crimes. “Nós pretendemos esclarecer o que é a exploração sexual, como ocorre, e mobilizar toda sociedade para combater esse tipo de situação. É um trabalho preventivo, com o intuito de erradicar esses crimes do nosso município”, diz o secretário, que lembra que a comunidade pode contribuir nesse trabalho ligando para o número 100, do Disque Direitos Humanos: “Nós temos o Conselho Tutelar, que juntamente com o Centro de Referência de Assistência Social (Cras), monitora essa questão e atende às solicitações que vêm do Ministério Público (MP). Além disso, a população pode oferecer denúncias ao disque-100, sem a necessidade de se expor. As denúncias podem ser anônimas, que serão encaminhadas aos órgãos pertinentes para que tomem providências”.